Roteiro Cultural | Festa das Fogaceiras

Olá!

A Festa das Fogaceiras acontece todos os anos, a 20 de janeiro, dia de feriado municipal, em Santa Maria da Feira, onde ocorre a partilha da fogaça – doce tradicional e regional de Santa Maria da Feira. É uma tradição que se cumpre todo os anos através de um cortejo onde as donzelas desfilam de vestidos brancos em homenagem a São Sebastião – os vestidos brancos representam a simplicidade que é a essência da homenagem a São Sebastião na Festa das Fogaceiras. O cortejo ocorre no dia 20 de janeiro, mas este ano o programa associado à comemoração inclui muitas atividades – desfile, concertos, fabrico da fogaça e teatro de revista – e só termina no final do mês de janeiro. 
São Sebastião é sinónimo de viver e morrer por amor. E a festa em honra de São Sebastião, em Santa Maia da Feira, é a festa da fé, da esperança, da caridade e do amor. Para que percebam esta tradição é necessário abordar a história de São Sebastião, o mártir que foi homenageado, mais uma vez, quando se construiu o hospital de Santa Maria da Feira. A fé aparece na devoção a São Sebastião. Reza a lenda que desde a peste do ano de 1505 as pessoas da Feira pedem ajuda a Deus por meio de São Sebastião. As pessoas recorreram a São Sebastião porque também ele durante a sua vida sofreu muitas contrariedades e sofrimentos. Diante deles mostrou-se sempre corajoso e devoto de Deus.
Quando se faz uma promessa espera-se receber o que se pede. O povo feirense não é exceção e esperou de Deus todas as graças e coisas boas para viver feliz e em paz. A festa é, assim, uma história de esperança, porque diz como as pessoas da Feira sempre esperaram e confiaram na ajuda divina, que foi pedida por meio de São Sebastião. Diz a história da Festa das Fogaceiras que o povo, em troca da proteção de São Sebastião, prometeu ao santo a oferta de um pão doce chamado fogaça. Este pão, depois de ser levado na procissão é benzido dividido em fatias e repartido pelo povo presente. A fogaça tonar-se, assim, sinal da partilha entre as pessoas. Os verdadeiros apreciadores dizem que a fogaça deve ser partida com a mão e não com faca.
Esta é uma história feita de esperança. A festa de São Sebastião é também uma história de amor porque sempre se benzeu e distribuiu o pão doce – as fogaças – pelas pessoas. Isto diz como as pessoas da Feira, porque amam Deus e veneram São Sebastião, são capazes de dar, partilhar, serem caridosas, altruístas e solidárias umas com as outras. Esta é a história de Santa Maria da Feira. Uma história de amor, partilha e solidariedade que se designa de Festa das Fogaceiras.
Em dia de feriado municipal, a 20 de janeiro, cumpre-se então aquela que é mais antiga e simbólica festa feirense tendo por base a fogaça, um pão doce oferecido a São Sebastião, em agradecimento pela proteção contra a peste negra. Anualmente, a procissão inicia-se na Câmara Municipal por volta das dez horas e trinta minutos e segue para a Igreja Matriz, onde é celebrada a missa. Da parte da tarde, mais precisamente a partir das quinze horas e trinta minutos, as meninas voltam às ruas do centro histórico para cumprirem a promessa.
Espero que tenham gostado deste roteiro cultural.





Partilha em:

ADICIONAR COMENTÁRIO

2 comentários:

  1. É muito bom quando as tradições se mantêm :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!
      Obrigada pela visita e pelo comentário.
      Estou totalmente de acordo contigo, é muito bom todos os anos podermos recordar a história e comemorar. São as tradições que mantêm a história viva!
      Beijo com Amor ♥
      Fabiana Ribeiro da Silva (www.afabianasilva.blogspot.pt)

      Eliminar